Advogado do diabo – O projeto de futebol do Fluminense é melhor do que acreditamos

Compartilhe

Tricolor, a primeira coisa que eu gostaria que você soubesse ao começar esta leitura é que esse texto se trata de uma OPINIÃO do escritor, não o posicionamento do site. Digo isso por se tratar de um assunto polêmico. Mas dê uma chance, talvez você mude de ideia – como eu mudei recentemente.

Convenhamos, quem não está de saco cheio de passar ano atrás de ano sonhando com uma mísera Sul-Americana? Todo ano é torcer por um G6, mas se classificar pra Sul-Americana com sossego também não é um mau negócio. Pera lá! Quando foi que isso se tornou normal? Acho que uma parcela da torcida está normalizando um período longo longe do protagonismo, enquanto uma outra tenta reagir e dizer que isso tudo está errado. Temos que lembrar que o Fluminense dos últimos 7 anos deveria ser um clube em transição, não que fosse a nossa realidade.

E é por isso que não devemos nos conformar com qualquer resultado negativo, principalmente um vexame, como as eliminações para Union la Chalera e Atlético-GO. No entanto, não devemos pensar somente no resultado imediatista. Foi com esse pensamento que jogamos fora anos como 2018 e 2019, que contava com bons elencos para a realidade financeira, mas que necessitavam de uma grande venda no ano seguinte. O projeto de futebol do Fluminense não foi montado para levantar taça neste ano. G4? Sonho distante. Se fechar as contas no “verde” e não for rebaixado – perdendo assim uma cota milionária de TV – já é uma vitória. A ideia, pelo menos ao meu ver, é que o clube consiga aos poucos ir se estruturando financeiramente, para assim não precisar vender suas jóias.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

O Fluminense é um dos poucos times do Brasil auto-suficientes. A gente consegue montar uma base competitiva com metade do elenco composto por jogadores vindos da base. A ideia não é ter dinheiro no caixa para ir às compras, igual nosso rival, que precisa comprar quem a gente forma. É ter dinheiro no caixa para não precisar vender. Aí ninguém segura a gente. Se não for a ideia, pelo menos parece estar mirando nessa direção.

Pensando dessa forma, o elenco do Fluminense foi montado com diversos jogadores livres no mercado, apostas baratas e jovens de Xerém. Não foi montado pensando em disputar o G4, muito menos estar a 3 pontos do líder depois de 19 rodadas. Mas as apostas estão se mostrando certeiras. Odair Hellmann foi um dos maiores motivos de revolta da torcida tricolor durante boa parte do ano. Eu mesmo não aguentava mais o time jogando para trás, com pouca criação no ataque e sem nenhum padrão. Mas vocês se lembram como começou a montagem do Corinthians campeão mundial em 2012? Com uma eliminação vexatória contra o Tolima em 2011. O time não demitiu o técnico Tite e em 2 anos o clube já era campeão brasileiro, da Libertadores e do mundial.

Não que o Odair vá levar o Fluminense para o mundial em 2021 – mas bem que seria irado. Mas uma coisa temos que admitir: O cara encontrou seu jogo no clube. A nossa defesa, tão criticada há anos e mais anos, hoje é o nosso grande ponto forte. Hoje não tem um torcedor que não esteja ao menos DE BOA com nosso quarteto de zaga. Já se foi o tempo que eu só gostava de 1 zagueiro em todo elenco.

Temos que admitir também que a chegada de Danilo Barcelos, tão criticada antecipadamente, mudou a cara do time. Eu realmente acredito que ele pode avançar e fazer um cruzamento que encontre a testa de um jogador nosso. Ele me fez esquecer que Caio Henrique jogava ali no ano passado. Boa pedida do Odair.

Com a zaga segura na proteção, e sendo bem participativa no ataque – muito graças a Danilo Barcelos -, o treinador teve mais tempo para arrumar o meio e o ataque. O ataque, que não conta com nenhum grande nome, ainda está longe de ser um setor prolífero. Mas o meio já se mostra muito mais encaixado. Dodi, que é muito responsável pelo sucesso desse time, vem sendo uma das grandes surpresas da temporada. No entanto, caso não consiga seu acordo ideal, poderia ser substituído por André ou Calegari facilmente – até mesmo por Yago Felipe. Yago inclusive é outro que também vinha em baixa, mas que ultimamente vem tendo certo destaque positivo. O jogador foi eleito o “Destaque do Jogo” pelos seguidores do Saudações Tricolores no Twitter na última partida, contra o Fortaleza.

Michel Araújo e Nenê apresentam mais perigo que qualquer dupla de meias que jogaram no Fluminense há pelo menos 5 anos. Com o time em situação tranquila, Luiz Henrique vem se mostrando um grande talento. Até o Caio Paulista vem se mostrando útil na rotação, e o Felipe Cardozo pelo menos não atrapalha mais. Aos poucos, o ataque vai se firmando.

Para finalizar, queria deixar claro que eu acho que esse trabalho não é nada mais do que obrigação de quem é responsável pelo futebol do clube. O Fluminense não é o primeiro caso da história do futebol de um time de baixo custo com um bom desempenho. O Athletico-PR foi campeão de uma Sul-Americana e uma Copa do Brasil assim. Os dirigentes são pagos para isso e não estão entregando nada “a mais”.

No entanto, acho que já podemos pensar em deixar para trás essa fase de apenas criticar. Criticar a montagem do elenco, criticar o trabalho do treinador, criticar os jogadores que não deixaram o clima ficar pesado mesmo com atrasos nos salários. Esse time tem algo especial que a gente não via há muito tempo.

Vamos dar um voto de confiança no projeto. Se as coisas continuarem fluindo bem, a tendência é só melhorar. E se você quiser ver o quanto pode melhorar no futuro basta dar uma olhada na garotada de Xerém que vai começar a subir para os profissionais.

ST


Compartilhe

9 thoughts on “Advogado do diabo – O projeto de futebol do Fluminense é melhor do que acreditamos

  • 01/11/2020 em 10:09
    Permalink

    concordo com seu texto e sua visão. vou mais além, agora é mais tranquilo acreditar figurando entre os 4, mas a torcida em geral precisa ter paciência e entender o momento financeiro do clube. era para estar apoiando mais e cornetando menos. o trabalho n é perfeito mas as condições tb não são. eu vejo um grande esforço desta diretoria em fazer as coisas certas dentro do que é possível. olhamos para o lado para ver a situação dos outros 2 cariocas, olhamos para nossa base com protagonismo e liderança nos brasileiros sub17 e sub20. As coisas estão se encaixando, precisamos dar credibilidade e apoio para quem quer arrumar o fluminense.

    Resposta
    • 02/11/2020 em 11:42
      Permalink

      Eis uma análise sensata e construtiva para o fortalecimento do FLUMINENSE. Criticamos porque queremos um time à altura das tradições Tricolores, mas não podemos nos divorciar dos desafios do presente. ST 💚❤

      Resposta
  • 01/11/2020 em 11:58
    Permalink

    Vindo de você, que é apoiador do Mário, fez campanha, não me surpreende querer falar de “projeto”.
    Chega a ser hilário.

    Resposta
  • 01/11/2020 em 12:01
    Permalink

    Tá na hora da torcida abraçar o Fluminense. Todo mundo já sabe das limitações mas mesmo assim estamos no G4, contra tudo e todos! Ninguém, absolutamente NINGUÉM acreditou no Fluminense no G4, e mesmo assim estamos lá. Nos últimos 9 anos , somente 4 clubes foram campeões brasileiro mais de 1x , o Fluminense foi um desses, então temos o direito de sonhar que podemos ser penta!

    Resposta
  • 01/11/2020 em 14:01
    Permalink

    Acho que, dada a situação inesperadamente boa ao fim do primeiro turno, seria o caso de a direção ousar um pouco, reforçando pontos que estejam aquém; sendo maldoso, eu diria: alguém pra ser reserva do Danilo Barcelos, e principalmente um centroavante pra aumentar o poder de fogo. Tudo bem, Felipe Cardoso não está tão ruim assim, mas se ainda tivéssemos algum Evanílson seguramente faríamos mais gols. E isso pode ser decisivo no segundo turno.

    Resposta
    • 01/11/2020 em 14:41
      Permalink

      Concordo, Diego! Com os pés no chão, poderíamos ir atrás de peças que agreguem ao elenco. O Lucca acabou de chegar, temos que dar uma chance para ele, pode ser outra grata surpresa como foi o Barcelos. Em breve tem Kennedy e Samuel nos profissionais também… Tem que estar atento às oportunidades e garantir que esse 1º turno não seja uma grande ilusão como foi em 2015. E eu to botando muita fé que esse ano será diferente

      Resposta
  • 01/11/2020 em 15:21
    Permalink

    Ótimo texto! As críticas vão sempre vir e existir. O próprio Corinthians do Tite recebia críticas também quando foi campeão da Libertadores. Mas as críticas devem ser direcionadas ao que não vem dando certo. Hoje, no time, temos titulares e banco. Surreal pensarmos nisso no início do ano. Ponto positivo para a gestão e Odair. O Maior acerto, a meu ver, foi fechar com a Umbro mas também não podemos esquecer do desbloqueio de verbas que o Mário conseguiu. O ponto negativo é passível de críticas fica pelo lado das promessas não cumpridas da gestão. Dentre elas, o patrocínio engatilhado (veja bem, o Mário escolheu e escolhe muito bem as palavras. E deve ser cobrado por isso), a revitalização das Laranjeiras (a gestão sequer da ao grupo responsável pelo projeto a anuência para buscar soluções junto aos órgãos governamentais competentes apesar de adicionar o plano em sua candidatura), venda da base a preço de banana (não me refiro ao Pitaluga que sairia invariavelmente mas a Spadacio por merreca) e renovações no mínimo questionáveis para quem tem cofres vazios (Pablos Dyegos da vida). O planejamento para a sula era discutível também pq a eliminação recai sobre a dupla Mário-Angioni uma vez que o time estava esfacelado e tínhamos poucas opções em campo, assim como a venda do Gilberto que escancarou a falta de um lateral direito, subindo o Calegari de 18 anos para ser titular direto. O Julião vem agora desempenhando um papel, no mínimo, aceitável. Nem quando ganhamos está tudo ótimo, nem quando perdemos está tudo atrasado. ST

    Resposta
    • 02/11/2020 em 15:02
      Permalink

      É isso mesmo. Convindo lembrar que a gestão está no seu primeiro ano e pegou terra arrasada, assim um pouco de tempo é necessário, antes de cobrar mais incisivamente. Convém ainda lembrar os efeitos econômicos da covid-19, imprevisível em 2019. Ajudar, não é passar a mão na cabeça, nem criticar para destruir. Sua avaliação é de quem ama o Clube, e não impregnada da política miúda, que põe interesses pessoais à frente de tudo. O único ponto é que, a meu ver, mais algum tempo acabou por se fazer necessário e, independentemente das questões políticas, penso que o Celso poderia ser tratado melhor. E aí não há dificuldades que justifiqurm.

      Resposta
  • 01/11/2020 em 22:10
    Permalink

    Eduardo teceu o melhor comentário.
    A Torcida quer respostas, pois sempre é chamada a colaborar, mas sem transparência, não dá.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *