Saudades? Ex-Flu, Caio Henrique desperta interesse de Porto e Benfica

Compartilhe

Caio Henrique, sempre que é falado, ainda desperta emoções entre os torcedores tricolores. O volante, que atuou em 2019 pelo Fluminense como lateral-esquerdo, foi um dos (senão o principal) nome do time no ano.

Em 2020, havia muita especulação sobre o seu destino. Apesar de todos os esforços do Fluminense e do presidente Mário Bittencourt em tentar mantê-lo, o Grêmio pagou mais e ficou com o atleta. Porém, disputou apenas cinco partidas até a paralisação do futebol. No início de julho, ele regressou a ao Atlético de Madrid, depois que o time da capital espanhola exerceu a opção do fim do empréstimo junto ao Tricolor gaúcho que previa no contrato.

Embora tenha chances reais de ter uma sequência no elenco de Diego Simeone, a possibilidade de ser titular em outro clube agrada ao lateral, que vai completar 23 anos no próximo dia 31. Renan Lodi é o titular da posição no Colchonero, e Caio seria a segunda opção.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

No início do ano, chegou a ser procurado pelo Flamengo. Na época, o treinador por Jorge Jesus queria o jogador. Com a ida do português para o Benfica, o clube surge. como uma opção. Antes do acerto do treinador com o clube de Lisboa, um intermediário ligado ao time demonstrou interesse, que seria condicionado à concretização da ida de Jorge Jesus ao Benfica.O Porto também consultou pessoas ligadas a Caio Henrique e o procurou como uma alternativa à provável saída de Alex Telles, que é especulado no PSG. Entretanto, o Atlético ainda não recebeu propostas oficiais pelo lateral.

Caio segue em Madri, mas sem treinar com a equipe do Atlético. O brasileiro fez apenas uma partida com a camisa do Colchonero: pela Copa do Rei, em novembro de 2016.

Caso o Atlético de Madrid venda Caio Henrique, o Fluminense terá direito a 0,50% da verba por ter participado do processo de formação do jogador e ele ter atuado uma temporada por completo no clube.
ST,
João Eduardo Gurgel

 


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *