Pedro Rangel (ST) entrevista Pedro Rangel, da base tricolor

Compartilhe

O goleiro Pedro Rangel, da base tricolor, foi entrevistado por…. Pedro Rangel, do Saudações Tricolores. A “brincadeira” ocorreu na última quinta-feira (01). Em um rápido bate-papo descontraído, o goleiro falou do seu começo no futebol, chegada ao Flu, treino com profissionais, troca de experiências com  jogadores mais experientes, a idolatria por Muriel, Ganso, Nenê e até das piadas de Fred. Além disso, Pedro mostrou ser confiante em si mesmo, passando um recado para a torcida tricolor no fim da entrevista.

Confira o bate-papo:

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Fala jogador para lá de especial, com Pedro Rangel, que tem um nome muito bonito…

Nome bacana, né? As vezes procuro meu nome no Google e aparece você.  Ai eu penso, quem é esse cara? Tá me atrapalhando (risos).

Começou tarde no futebol

Comecei com 15 para 16 já no campo. Meu primeiro clube foi a Itapirense. Fui para Copinha de 2018.

E se destacou lá? 

Era ano 98, eu fui como 2008. Nessa primeira, fui como segundo goleiro. Na segunda, em 2019, fui como titular.

Como foi o contato: o tal do Fluminense está interessado em você… Como chegou para você, balançou?

Eu estava na praia, de férias. Até então, não tinham me falado nada. Quando me falaram do Fluminense, fiquei muito feliz, torcendo para dar certo. Não pensei duas vezes.

O Fluminense tem uma tradição muito em Xerém….

O mundo inteiro conhece, né?.

O que te impactou mais quando chegou no Flu?

Me motivou muito. É um sonho de garoto, né? Na Itapirense ainda fiquei meio assim. Vi a estrutura, ai sonho almeja.

Você tem 1,92m de altura, envergadura boa. Quais são suas características?

Gosto de sair da área, e saio com os pés também.

Assinou contrato com Fluminense com opção de compra até o ano que vem. Já teve alguma conversa para renovar?

Eu quero ficar, já tiveram algumas conversas, mas temos que esperar.

Como era o convívio com o Pitaluga?

Eu sempre tive uma convivência muito boa com ele. A gente sempre trocava mensagem. Aprendi muito com ele, acho que ele também aprendeu comigo.

Já treina no CT profissional também?

O Pitaluga teve uma lesão na parada. Ai eu vim para o profissional, comecei a treinar. Agora que ele saiu, continuei treinando.E desço para jogar com o sub-20.

Então você  treina com o André Carvalho, Josmiro?

As vezes o João Carlos também…

E lá o bicho pega? Ele gosta de fazer a galera sofrer?

Faz, mas é muito legal.

Qual a principal exigência do André?

Primeiro a segurança, né? E jogar com os pés a gente também trabalha. O Marcos Felipe tem uma técnica muito boa. O Muriel também me dá muita moral, tem o João Lopes também.

O que você pode somar com essa experiência com os profissionais?

O Luan Freitas desce para jogar alguns jogos também. Acho que fica mais fácil para gente.

E você divide o apartamento com Martinelli? Quem é o mais zoneiro?

A gente é bem tranquilo, bem organizado.

Dessa molecada toda, a gente vê alguns vídeos. Quem é o mais zueiro de todos? 

Ah, é o Fred. Teve um dia que ia ter treino de finalização, a gente estava de lixeiro. Aí o Fred viu e brincou: olha os lixeiros.

Há 2 anos você estava no Itapirense, e hoje você treina com Fred, Ganso, Nenê….

É um sonho. Eu não tinha tido uma sequência de treinos no profissional. E agora eu me pego sonhando. Eu assistia eles pela TV, agora jogam do meu lado.

Eles conversam com vocês, passam a experiência?

Conversam bastante, passam coisas que podem melhorar. Comigo quem dá mais dica é o Muriel, por ser goleiro. Ele me manda ser calmo e eu levo muito dentro de campo.

Castilho, Félix, Paulo Victor, Cavalieri…. como é para você representar a camisa que passou por esses nomes?

É muito pesada, né? Tem muitos ídolos. Eu lembro do Cavalieri. Conhecia o Muriel também pela TV, quando jogava no Internacional.

Na sub-20, o Flu tem 2 desafios e vem bem: Carioca e Brasileiro. Qual a expectativa?

Classificamos na Taça Guanabara e estamos no Brasileiro também. A expectativa está boa. Muita gente está tendo oportunidade. E tem garoto de 2002 jogando um campeonato de 2000. Os moleques de Xerém tem muita qualidade.

E essa molecada tem chance no profissional também… Calegari, André, Wisney… Como está e expectativa? Vocês se julgam prontos?

Dá um frio na barriga. Eu converso muito com Martinelli, que tem muita qualidade. Tudo tem seu tempo, você tem que trabalhar e esperar seu tempo.

O Martinelli está com Covid. Você saiu de casa?

Sim, vim para casa de um amigo.

E ele está bem?

Tá tranquilo, tá indo bem.

Manda um recado para a torcida tricolor…

Quando eu estiver em campo, pode aguardar coisa boa, sou um cara decisivo. Vai vir coisa boa pela frente.

Você também treina falta e pênalti?

Sim, eu gosto. Mas não estou treinando esse ano. E se for preciso, eu bato.

Como é o treinamento para pegar pênalti?

A gente estuda com a ajuda dos caras do vídeo. Mas também tem a intuição na hora, o momento ali. A gente fala com o cara e tenta crescer.

 

ST!

 


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.