Análise Tática: nova queda de rendimento faz Fluminense ficar no empate com o Santos

Compartilhe

A queda de rendimento no segundo tempo tem sido a tônica do Fluminense nos últimos jogos e contra o Santos não foi diferente. O Tricolor começou moroso, saiu atrás, acelerou após a substituição na segunda etapa, virou com Ganso e Arias e de novo diminuiu o ritmo. Resultado, desta vez sofreu o empate nos minutos finais.

Para a partida, o Flu não contava com Manoel — além de Felipe Melo e Marrony. Luccas Claro começou jogando, mas o time sentiu falta do zagueiro hoje titular. Não que o camisa 4 e o camisa 26 sejam muito diferentes enquanto zagueiros. Luccas Claro já foi um destaques do Brasileirão 2020, no entanto, tem apresentado dificuldades no esquema “colaborativo” de Fernando Diniz.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Luccas Claro no primeiro tempo durante o empate entre Santos e Fluminense
Luccas Claro tocou 49 vezes, mas preferiu “se livrar da bola” rápido em passes mais fáceis, enquanto Manoel costuma carregar mais a bola, empurrar o adversário e tentar mais bolas longas por jogo (Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC)

Lento na saída de bola, o Tricolor não conaeguia quebrar as linhas porque o Santos, recuado, marcava forte. Se aproveita do estilo do Fluminense de agrupar jogadores e pressionava com dois, três e, às vezes, até quatro jogadores. Quando roubava, apostava nas viradas de jogo e investia no lado esquerdo de ataque. Por ali, o Peixe conseguiu o escanteio que resultou no primeiro gol.

Gol do Santos contra o Fluminense
O desvio de Maicon ‘matou’ a defesa tricolor. Mas vale destacar que, assim como contra o RB Bragantino, a marcação de um jogador alto estava com Nonato, que tem só 1,74m de altura (Foto: Reprodução/ge)

O gol santista fez com que Ganso participasse mais da partida. O camisa 10 se movimentou bastante. Com passes de primeira, principalmente, orquestrou alguma das melhores chances do Flu na primeira etapa e ainda acertou uma bola na trave em uma cobrança de falta.

Substituição de um zagueiro por um volante e virada do Fluminense sobre o Santos

Sai Luccas Claro, entra Martinelli. A troca de Edgar Barros — que substituiu Diniz à beira do gramado — visava dar mais qualidade na saída de bola.

Tanto André quanto Martinelli já fizeram a função de zagueiro no Sub-23, mas o Flu não precisava de um defensor mais atrás para ficar cortando bolas porque o Santos, mesmo jogando em casa, praticamente não atacava. Com mais opções, o Fluminense enfim pôde imprimir um ritmo acelerado na troca de passes no campo de defesa do Santos.

Martinelli em campo no empate entre Fluminense e Santos
Com a substituição, Martinelli a atuar mais pela direita e André ficou responsável pela cobertura do meio-campo enquanto Nonato ganhou liberdade para chegar mais à frente(Foto: Marcelo Gonçalves/FC)

O Tricolor passou a dominar o jogo. Contudo, o primeiro saiu em desatenção de Sandry. O jovem volante, que voltou ontem de lesão, derrubou Matheus Martins de costas e já caminhando para fora da área. Pênalti que Ganso com categoria converteu para coroar a boa partida.

A virada, assim como contra o Goiás, veio em dois minutos. O lançamento longo de Nino encontrou Germán Cano.  A bola bateu no argentino e sobrou para Jhon Arias bater de primeira.

Gol da virada de Jhon Arias
Vivendo uma fase artilheira, Arias tem se aproximado mais de Cano para definir as jogadas. O colombiano — que lidera em assistências no ano — marcou quatro gols nos últimos cinco jogos (Foto: Reprodução/ge)

Recuo e queda de rendimento

Talvez temendo a queda de rendimento da mesma forma que quase custaram as vitórias sobre o RB Bragantino e o Fortaleza, Edgar Barros colocou David Duarte e Wellington nos lugares de Paulo Henrique Ganso e Matheus Martins.

Assim, o Fluminense passou a jogar com quatro volantes no meio-campo, embora alguns naturalmente chegassem mais à frente que outros. Entretanto, o gol de empate do Santos saiu justamente em um contra-ataque.

Início do gol de Marcos Leonardo
O lançamento de trivela de Fernández encontrou as costas de Caio Paulista. O lateral improvisado já atua com um ala, portanto costuma deixar espaço. Erro da marcação que não fez a cobertura. Além disso, David Duarte correu para dentro do gol, abrindo espaço para Lucas Braga cruzar para Marcos Leonardo (Foto: Reprodução/ge)

Com o time ainda acoado e demonstrando cansaço, o Santos quase virou o jogo com bola alçada para Lucas Braga na área, mas Fábio salvou o Fluminense. Com mais gás time da Vila Belmiro terminou com quase três vezes mais desarmes (16 a 6 na segunda etapa) e o dobro de interceptações  (5 a 2), de acordo com dados do SofaScore.

Próximo jogo

Com o resultado, o Fluminense pernace na terceira colocação com 35 pontos — agora dois atrás do vice-líder Corinthians e a sete do líder Palmeiras — enquanto o Santos também ficou em nono, com 27. O Tricolor agora enfrenta o Cuiabá, 17º colocado, em casa. Já o Santos agora viaja para enfrentar o Coritiba no Couto Pereira.

ST


Compartilhe

Lucas Meireles

Jornalista formado pela UFRRJ, apaixonado por esportes e pelas boas histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.