Análise Tática: Fluminense melhora mesmo com um a menos e empata contra o Corinthians

Compartilhe

Mesmo com um jogador a menos durante praticamente toda a segunda etapa, o Fluminense conseguiu arrancar um empate em 1 a 1 com o Corinthians em São Januário. O curioso, no entanto, é que o time de Roger Machado acabou melhorando após a expulsão de Abel Hernández.

Sem Fred e Nenê, poupados, e Caio Paulista, lesionado, Roger promoveu as entradas de Abel Hernández, Ganso e Cazares. A opção pelo camisa 10 e pelo equatoriano visava sobretudo ter mais jogadores transitando entre as linhas do Corinthians. Habituado ao estilo europeu, o técnico Sylvinho, do Alvinegro Paulista, costuma utilizar uma linha de quatro e outra de cinco bastante compactas.

Ganso na partida entre Fluminense e Corinthians
Embora tenha admitido que gostaria de jogar mais perto do gol, Ganso fez uma função mais recuada. Próxima da que o camisa 10 fazia com o técnico Fernando Diniz. De acordo com dados do SofaScore, o meia tocou na bola 94 vezes, com 95% de aproveitamento nos passes. Além disso, venceu seis dos sete duelos pelo chão, os dois que teve pelo alto e ainda contribuiu com um corte, um desarme e uma interceptação. Números próximos da média que Roger pede aos jogadores de frente (Foto: Mailson Santana/Fluminense Football Club)

Por outro lado, a ausência de Caio Paulista deixava o time menos agressivo, principalmente no momento de recuperar a bola. O Flu até teve mais posse (53 a 47% no primeiro tempo) e trocou mais passes. Contudo, acabou vendo o Corinthians espetar alguns contra-ataques.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Lance do pênalti do Corinthians
Responsável pela cobertura na linha defensiva, Luccas Claro errou ao permitir o giro de Mosquito na transição rápida do adversário. Se não tivesse cometido o pênalti, o atacante corintiano teria pelo menos três opções para receber o cruzamento (Frame: Reprodução/ge)

Mesmo com expulsão, Fluminense fica mais perto de virar do que Corinthians de ampliar

Depois do gol de Jô, o Fluminense criou duas oportunidades de empatar ainda na primeira etapa. Duas com a participação direta de Ganso. Na primeira, o meia desviou de cabeça o escanteio. Já na segunda, achou Cazares — que fez uma boa jogada individual — para a defesa de Cássio.

Era um prelúdio da segunda etapa. Mesmo com a desvantagem no placar, Roger Machado não mexeu no time, mas ganhou um problema no logo nos minutos iniciais. Em um lance polêmico, Abel Hernández acabou expulso pelo árbitro Savio Pereira Sampaio.

Com um a menos, o Flu demorou um pouco até se acertar. Sem centroavante, o time perdeu a referência no ataque. Caso não quisesse mexer, Roger poderia colocar Ganso como falso 9 assim como na vitória sobre o Bangu pelo Cariocão. Só que o treinador optou pela entrada de Raúl Bobadilla no lugar de Yago Felipe.

Mesmo com um a menos, Fluminense não abriu de jogar com um centroavante contra o Corinthians
Atuação de Bobadilla merece destaque em comparação a de Abel. Mesmo sem ser brilhante, o argentino naturalizado paraguaio se movimentou bastante e conseguiu dar sequência as jogadas. Enquanto o uruguaio deixou o campo com quatro passes errados e seis perdas de posse de bola em 18 toques. Ou seja, em mais das metades dos lances, a jogada acabou morrendo no camisa 32 (Foto: Mailson Santana/Fluminense Football Club)

A presença de Bobadilla atraiu a atenção da zaga corintiana, que não acompanhou a infiltração de Cazares. Assim o equatoriano apareceu livre na área para completar o cruzamento de Egídio.

Ganso comemorando com Cazares o gol do Fluminense contra o Coritnhians
Cazares não marcava curiosamente desde a goleada por 5 a 0 do próprio Corinthians sobre o Fluminense pelo Brasileirão 2020. Meia equatoriano se tornou agora o 15º estrangeiros com mais gols no Campeonato Brasileiro (Foto: Mailson Santana/Fluminense Football Club)

Minutos depois, Bobadilla ainda chegou marcar um lindo gol, mas o bandeirinha assinalou impedimento corretamente.

 

Próximo jogo

Com o empate contra o Corinthians, o Fluminense chega a 10 pontos nas sete primeiras rodadas. O Tricolor se mantem em 10º, mas empatado em número de pontos com os Atléticos Goianiense e Mineiro, respectivamente. O Time de Guerreiros volta a campo na próxima quarta-feira (30) diante do Athletico Paranaense no Raulino de Oliveira.

ST

Lucas Meireles


Compartilhe

Lucas Meireles

Jornalista formado pela UFRRJ, apaixonado por esportes e pelas boas histórias.

One thought on “Análise Tática: Fluminense melhora mesmo com um a menos e empata contra o Corinthians

  • 30/06/2021 em 16:09
    Permalink

    Sem querer entrar em detalhes sobre a qualidade técnica dos jogadores do Fluminense e sem dá opinião sobre o individual ou coletivo, mesmo assim faço uma pergunta: por que o time do Fluminense não consegue segurar a bola no meio campo e dá sequência a maioria das jogadas com passes de qualidade para o ataque? Sem querer dá onda de técnico, mas pelo que se percebe, em qualquer jogo, quem não consegue armar as jogadas no meio de campo e se os laterais não dão apoio ao ataque, fica muito fácil a equipe adversária recuperar a bola. Como consequência os outros times perdem o medo de quem joga só um futebol truncado, amarrado. Mesmo sendo repetitivo com relação a três parâmetros em outros comentatários, eu vou novamente fazer a mesma pergunta: são os jogadores ou os técnicos que são responsáveis pela extinsão do drible, das “tabelinhas” e das ultrapassagens de jogadores vindos de trás para receber a bola na frente no futebol brasileiro e como consequência no Fluminense? Sem isso o futebol deixa de ser solto, leve. A sorte do Fluminense é que também as outras equipes brasileiras esqueceram. Mas será que o mundo esqueceu também? seria prudente não contar sempre com a sorte. Sou torcedor do Fluminense desde criança, e serei sempre. Sou a favor do futebol bem jogado. Ganhar é bom, mas futebol também nunca vai deixar de ser espetáculo.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *