Análise Tática: Sustos e soluções na vitória do Fluminense sobre o Goiás

Compartilhe

De fato, Fluminense e Goiás fizeram um jogo emociante na noite da última quarta-feira (20), na Serrinha. Um placar de 3 a 2, com direito a duas viradas e dois gols em dois minutos. Se ofensivamente o Tricolor demonstrou soluções contra um time mais fechado, por outro lado, a defesa apresentou falhas que precisam ser corrigidas.

Com Nino de volta e Nonato entre os titulares, Fernando Diniz repetiu a equipe que venceu seis jogos consecutivos. E assim o jogo começou de forma alucinante. Em menos de 15 minutos, os goleiros Tadeu e Fabio já haviam feito duas defesas cada.

As duas de Fabio, aliás, vieram em dois erros recorrentes durante a partida. O Fluminense não estava conseguindo lidar com os passes longos e a bola área do Goiás. Mas esse assunto fica para depois.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Isso porque o primeiro gol tricolor demonstrou a importância de jogar compacto. Ao arrancar com a bola, o zagueiro Nino quebrou o balanço defensivo do esmeraldino. E, após passe de Nonato, André chegou a ser desarmado na entrada da área. Mas Ganso estava perto para fazer pressão e recuperar já acionando Jhon Arias.

Primeiro gol do Fluminense contra o Goiás
Como dito, a subida de um jogador a mais (Nino) pela direita, junto com Nonato e André obrigou o Goiás a rever o balanço defensivo. Isso fez com que Arias e Caio Paulista ficassem livres no lado esquerdo. O colombiano recebeu de Ganso e, com tranquilidade, bateu na saída de Tadeu (Foto: Reprodução/ge)

Ganso mais uma vez merece destaque. Quando teve espaço, o camisa 10 quebrou as linhas da marcação alviverde com passes em profundidade e lançamentos.

Ganso na vitória do Fluminense sobre o Goiás
Foram cinco passes-chave de Ganso em todo o jogo, de acordo com dados do SofaScore. Além disso, o meia contribuiu com uma assistência pelo segundo jogo seguido — chegando a sete na temporada 2022.(Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC)

Erros resultam em virada esmeraldina

Depois de uma solução a la Dinizismo, voltamos aos sustos. O Flu já havia quase sofrido um gol nos minutos iniciais depois de Nino errar o tempo da interceptação pelo alto e a bola chegar aos pés de Pedro Raúl. No entanto, Fabio defendou o chute que ainda resvalou no braço de Samuel Xavier.

O centroavante de 1,91m, porém, usaria a cabeça para empatar após outro erro individual. Após cruzamento de Sávio Lopes, Manoel errou na antecipação pelo alto e deixou o camisa 11 do Goiás testou para o gol.

Erro de Manoel no gol de empate do Goiás
No lance do gol, a zaga do Fluminense — assim como em outros momentos — estava mal posicionada. Dadá Belmonte entrou nas costas de Nino obrigando Manoel a subir com o atacante, o que deixou Pedro Raúl sozinho para marcar (Foto: Reprodução/ge)

Com o placar empatado, o Goiás voltou marcando forte na segunda etapa. O time de Jair Ventura já havia somado 10 desarmes e quatro interceptações no primeiro tempo. Enquanto que, no segundo, foram 16 e 10, respectivamente.

Fernando Diniz colocou Felipe Melo, Martinelli e Nathan em campo nos lugares de Manoel, Nonato e Matheus Martins. A entrada de Felipe e Martinelli se justifica porque os dois possuem um passe mais qualificado e poderiam quebrar as linhas da equipe goiana. Enquanto Nathan, embora menos agudo que Matheus, se movimenta entrelinhas.

Mas — seja por cansaço ou por desconcentração — o Flu diminuiu a intensidade da pressão no meio-campo. Resultado, passou a sofrer mais com os contra-ataques do Esmeraldino.

Estreia de Marrony

Além de Felipe Melo, Martinelli e Nathan, Diniz promoveu a estreia de Marrony enquanto a partida ainda estava 1 a 1. Vestindo a camisa de número 16, o atacante revelado pelo rival Vasco da Gama teve uma estreia tímida pelo Fluminense.

Atuando aberto pelo lado direito, o jogador tentou trocar passes e cortar para o meio para chutar. Foram 21 toques na bola, com 10 passes certos, dois duelos ganhos no chão e um pelo alto.

Marrony em campo pelo Fluminense contra o Goiás
Marrony com a camisa do Fluminense. Atacante teve uma finalização bloqueada e quatro perdas de posse de bola em 19 minutos em campo (Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC)

O Goiás, por outro lado, continuava a assustar nos contra-ataques. Mais lento que Manoel, o veterano Felipe Melo sofria para fazer a cobertura. O volante que entrou na zaga acabou ultrapassado por Renato Junior na velocidade, que serviu Nicolas, mas o ‘Cavani do Cerrado’ bateu para fora após a bola já ter passado por Fabio.

O camisa 9, porém, faria jus ao apelido. Depois de receber um passe em profundidade, com a defesa do Fluminense aberta, o atacante chutou forte para virar a partida para o Goiás.

Lance do gol da virada do Goiás sobre o Fluminense
O gol da virada do Goiás surge de uma roubada na saída de bola do Flu. Felipe Melo tocou para Willian Bigode que, pressionado, acabou perdendo a bola. Assim Dieguinho acionou Nicolas com a defesa tricolor completamente espaçada (Foto: Reprodução/ge)

Qualidade individual decide vitória do Fluminense sobre o Goiás

Com o placar de 2 a 1, o Fluminense precisava se reinventar para sair com um resultado positivo. Diante de uma defesa fechada e de uma marcação forte, o Tricolor precisava ainda mais da qualidade individual dos seus jogadores. O que ficava mais difícil sem um jogador habilidoso — como Luiz Henrique, por exemplo — ou de um notório finalizador de média distância.

Mas o Flu tem um Germán Cano. Em média, o argentino marca um gol a cada 2,2 finalizações no gol nesta edição do Brasileirão. E contra o Goiás, o camisa 14 manteve a sina. Após duas tentativas de finalização, a bola bateu e sobrou na frente para o goleador chutar firme.

Germán Cano comemorando o gol de empate do Fluminense sobre o Goiás
Com o gol, Cano chegou a 28 na temporada e está a apenas de igualar a melhor temporada de Fred com a camisa tricolor. Em 2014, o ídolo balançou as redes 34 vezes (Foto: Marcelo Gonçalves/FFC)

Outro que usou a qualidade individual para a finalização foi Bigode. Dois minutos depois, o camisa 17 cortou para o meio e acertou um lindo chute, sem chance de defesa para Tadeu.

Finalização de Willian Bigode no gol da vitória do Fluminense sobre o Goiás
Willian aproveitou a queda do defensor do Goiás após a tentativa de cruzamento para marcar o quarto gol com a camisa tricolor (Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC)

Com a vitória de virada, o Fluminense chega a sete jogos de invencibilidade no Brasileirão. Na terceira colocação — ainda podendo ser superado pelo Atlético-MG —, o Tricolor enfrenta o Bragantino no próximo domingo (24), em Volta Redonda.

ST


Compartilhe

Lucas Meireles

Jornalista formado pela UFRRJ, apaixonado por esportes e pelas boas histórias.

2 thoughts on “Análise Tática: Sustos e soluções na vitória do Fluminense sobre o Goiás

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *