A inversão dos valores e o princípio do fim dos clubes brasileiros – FIFA estuda permitir contratos internacionais a partir de 16 anos

Compartilhe

Nada é tão ruim que não possa piorar. A FIFA, a maior entidade do futebol internacional, estuda alterar as regras do primeiro contrato, ainda com 16 anos, dos jogadores para que os clubes internacionais já possam abordar os atletas antes mesmo deles firmarem seus primeiros vínculos com os seus clubes-formadores. Na contramão daquilo que pleiteia o presidente tricolor  – que já levou uma sugestão à CBF, para que a nossa principal entidade encaminhe à FIFA uma proposta aumentando o vínculo do primeiro contrato para cinco anos – a Federação Internacional pretende facilitar o acesso aos jogadores ainda em fase final de formação

Mário Bittencourt, em seu encontro com Rogério Caboclo, presidente da CBF, sugeriu uma mudança das regras atuais, pois o cenário é extremamente desfavorável aos clubes do mercado formador. Hoje a Lei Pelé permite que jogadores de 16 anos assinem contrato por cinco temporadas, porém, a federação internacional limita os vínculos de menores de idade a três. Ou seja, as principais revelações do futebol, e seja em que caso for, já ficam expostas ao assédio externo e sujeitas às decisões de empresários que nem sempre pensam no melhor para o clube e no plano de carreira para o jogador. Neste cenário, vemos clubes seculares em situação pré-falimentar enquanto os novos barões do futebol enriquecem em ritmo acelerado.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Não que a situação de penúria dos clubes se limite somente ao que reza as leis que norteiam as transações e tempo de vínculo, mas é notório que temos hoje uma situação muito diferente daquela que ocorria quando da elaboração das leis e normas vigentes.

Caso isso de fato ocorra, a FIFA estará aumentando ainda mais o buraco existente entre o mercado formador – Brasil e América do Sul em geral – e os mercados compradores – Europa, Oriente Médio e parte da Ásia. Hoje, já existe a dificuldade em se firmar o primeiro contrato após os 18 anos, com o vínculo maior, de cinco anos que é o limite da legislação. Agora, imaginem que um atleta já possa desembarcar na Europa com apenas 16 anos… Pois, é. Tragédia à vista.

O assédio agora se iniciaria nos campeonatos de base sub-16. Já imaginou a quantidade de olheiros, de clubes internacionais, que estariam presentes nas partidas espalhadas pelo Brasil afora?

Nosso repórter, João Gurgel, fez uma matéria já comentando sobre esse mundo novo, onde os meninos de 13-14 anos já são agenciados, possuem empresários e assessoria de comunicação, além de outras situações que muitos só pensam existir no futebol profissional. Veja um trecho da matéria (para ver completa, clique aqui):

A atual geração de ouro do Fluminense, é apontada como o futuro do clube.  O elenco Sub-17 é onde estão as maiores promessas da base do clube e que, recentemente, foram campeões Brasileiros e vice da Copa do Brasil da categoria. Comandados por Guilherme Torres, trouxemos aqui todos os atletas da categoria e suas respectivas empresas que agenciam suas carreiras.

João Neto – D20 Sports
Matheus Martins – Rogon
Joilson – Pro Manager

Lucas Felipe – BZini Marketing & Management
Arthur – Rp4 Football
Metinho – Pro Manager
Alexsander – FTBOLL Carrers Management
Jefté – Sportfrint 
Justen – MFD Sports
Davi Schuindt – Fuse Sports
Caio Amaral – TFM Agency
Cayo Felipe – Guadagno Sports
Kayky – Pro Manager
Daniel Ghiggino – JC Soccer
Zé Hiago – TFM Agency
Pedro Rocha – Fuse Sports
Rafael Monteiro – MAB Gestão e Intermediações (Marcelo Bastos), RM Sports,  Pantera Sports,  ID Soccer Sports
Thiago – RP4 Football
Kauan – PGB Sports/Marcos Aurelio Lisboa
Gean Carlos – Marcio Bittencourt Sports
Gustavo Lobo – Brazil Soccer
Marquinhos – JC Soccer
Gabriel Lyra – TFM Agency
Erick – TINMO

Fácil de notar que não tem NENHUM atleta que não tenha seu empresário/agência que gerencie sua carreira. Sabendo disso, agora imagine se um clube de fora aborda essa empresa, esse empresário, antes mesmo do atleta assinar o seu primeiro contrato com o seu clube formador. Vou além, os clubes podem firmar parcerias com os mesmos e pagarem altas comissões futuras pelas negociações envolvendo o atleta representado – e outras tantas outras negociatas que minha imaginação sequer atinge. Esse processo será o início do fim dos clubes brasileiros, e até os latinos, de uma forma em geral.

Mais uma vez. Ou os clubes brasileiros se unem, e protestam, façam barulho, greve, ameacem desfiliação, criem uma nova ordem no futebol mundial, buscando apoio dos países latinos, ou estaremos acompanhando uma queda brutal em receitas e em qualidade do futebol. Se hoje, do jeito que está, já é desequilibrado, nessa nova proposta a dona Fifa está querendo colocar, nesta briga insana, uma bazuca nas mãos dos clubes mais ricos e, ainda não satisfeita, retirar o estilingue das mãos dos mais pobres.

Acordem, torcedores de todos os clubes da América do Sul. Ou jamais iremos disputar mais nada de igual para igual com ninguém de fora do nosso continente.

Será a mesma história se repetindo, aquela mesma da colonização. Eles virão aqui levar nosso ouro (jogadores) e deixar manufaturas baratas (training compensation).

ST

Washington de Assis


Compartilhe

18 thoughts on “A inversão dos valores e o princípio do fim dos clubes brasileiros – FIFA estuda permitir contratos internacionais a partir de 16 anos

  • 28/02/2021 em 11:01
    Permalink

    Cara, se isso for mesmo acontecer estamos ferrados

    Resposta
  • 28/02/2021 em 11:12
    Permalink

    Mais uma vez o Saudações trazendo informações.
    Enquanto outros dividem a entrevista em 30 partes para caçar cliques, aqui os caras trabalham

    Resposta
  • 28/02/2021 em 12:12
    Permalink

    Mas o mercado neoliberal é isso, eles pensam somente nos lucros. Agora querem pagar por menos e falir os mais fracos, no final só fica ele europeus como sobreviventes do futebol, as colônias vão so abastecer. Um amigo africano me disse que no país dele os europeus dão jogos de camisas em troca de jogadores, daqui há pouco estaremos nessa! ST!!

    Resposta
    • 28/02/2021 em 14:03
      Permalink

      Exatamente. E ainda tem gente falando em marxismo cultural. Haja paciência.

      Resposta
  • 28/02/2021 em 12:20
    Permalink

    Me perdoem a mudança de assunto, mas é necessário pra explicar essa questão de “inversão de valores” e infelizmente está ligado à questão do marxismo cultural ou comunismo, que se infiltrou por décadas na cultura do país e do mundo. Minha opinião é que os representantes das torcidas, treinadores, jogadores e demais funcionários que movem o clube, deveriam saber com clareza, a dimensão da “bola” que é isso tudo e a partir daí alterar algo no futebol.

    Resposta
    • 28/02/2021 em 12:32
      Permalink

      Será que vc não entendeu?
      É o mais rico explorando o mais pobre.
      Quer que desenhe?
      Ou vc se considera a parte “mais rica”?

      Resposta
      • 28/02/2021 em 12:39
        Permalink

        EU ENTENDI, mas estou explicando detalhadamente que isso não tem só haver com o futebol exclusivamente. A coisa é maior que isso, se quiser entender fique a vontade, agora, se quiser continuar na ignorância padrão do brasileiro comum, o problema não é meu.

        Resposta
    • 28/02/2021 em 12:34
      Permalink

      TODOS esses poderosos no futebol, não estão nem aí para as torcidas e não só tem objetivo de lucrar, mas sim alterar ideologicamente toda a esfera cultural do país, desde a base universitária, até os campos profissionais e manipular o consciente ético, moral e histórico de um povo, para assim terem um controle na esfera política, sem o barulho de todo um povo. Não se enganem também, que eles correspondem à figuras nacionais.

      Resposta
      • 28/02/2021 em 15:32
        Permalink

        Gente, nunca vi tantas linhas fazerem tão pouco sentido… É cada maluco que aparece na internet, meu Deus…

        Resposta
        • 28/02/2021 em 18:56
          Permalink

          Claro que nunca viu, pq é manipulado justamente pra isso e você nem percebe. Talvez quando sair da ignorância e arrogância, isso mude um dia. Brasileiro não busca o conhecimento e reclama de quem procura.

          Resposta
          • 01/03/2021 em 10:14
            Permalink

            Cara, se não fosse o buraco em que a gente se meteu, eu acharia isso engraçado… gente que acredita em banqueiro de esquerda (rsrsrs) chamando os outros de manipulados…

  • 28/02/2021 em 12:26
    Permalink

    É um desastre mesmo. Impressionante como se inventam novas maneiras de mercantilizar carne humana.

    Resposta
    • 28/02/2021 em 14:03
      Permalink

      Exatamente. E ainda tem gente falando em marxismo cultural. Haja paciência.

      Resposta
      • 28/02/2021 em 15:35
        Permalink

        Isso aí é jargão da turma do miliciano, né…

        Resposta
          • 01/03/2021 em 10:16
            Permalink

            A internet é mesmo um hospício. De repente me cai de pára-quedas o nome do Ciro Gomes por aqui! Cada uma…

  • 01/03/2021 em 00:58
    Permalink

    Creio que o Flu deveria criar um protocolo em que os responsáveis dos meninos deveriam assinar.
    Este protocolo seria o compromisso de todos de só sairem do Clube após ter dado oportunidade dele ser ressarcido por todos os anos que ali ficou e o desenvolveu.
    Caso contrário, não mais investiria na categorias pelo fato de captar, cuidar, desenvolver, e outros (Empresarios) que nada fazem, ganham mais que os próprios Clubes que realizam o trabalho.

    Resposta
  • 01/03/2021 em 13:06
    Permalink

    Boa tarde pessoal, saudações tricolores. Eu defendo há muito tempo que seja regulamentada uma lei que venha permitir a venda dos clubes brasileiros no modelo europeu. Acredito que assim não ficaremos reféns de empresários e as administrações serão profissionais. Evitaremos a saída precoce e quase de graça dos jovens valores e teremos clubes mais estruturados e times mais fortes e competitivos.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.