Flu empata, vê situação complicar na tabela e não consegue deslanchar esquema “Diniz”

Compartilhe

Fluminense e Ceará não passaram de um empate ontem no Maraca. Num jogo onde tínhamos tudo para vencer e iniciar a arrancada, não fomos capazes de vazar, por mais de uma vez, a defesa se um dos times que, certamente, vai brigar ali embaixo na parte da tabela. E isso preocupa.

Apesar de gostar do esquema do Diniz, não podemos deixá-lo sem críticas. Claro que jogar bem, e manter a posse de bola, nos aproxima mais da vitória do que jogar com a bunda na parede e dando chutão para brigar pela segunda bola. Mas tem certas coisas, sobretudo no jogo de ontem, que não dá para deixar passar em branco. A manutenção de Agenor é uma delas.

Nada, mas nada mesmo, justifica deixar Muriel no banco. Se Agenor ainda estivesse vivendo sua melhor fase, pegando tudo, ok, vá lá. Mas não é o caso. O goleiro falhou em todos os jogos que disputou até o momento, com exceção de sua estreia, diante do Flamengo (naquele 3 x 2, com reservas). Nos demais, vimos a falha bisonha contra o Bahia, a câmera lenta contra a Chape, e ontem mais uma. Essa, precisa ir para a conta do treinador.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Outra ponto foi a escalação de dois centroavantes no time. Pedro e João Pedro jogando juntos não dá. Tinham momentos no jogo em que 5 jogadores estavam de costas para o gol, aguardando o passe ali na frente. Os três da frente mais os dois laterais. Isso porque Pedro e João Pedro ocupam a mesmíssima faixa de campo, e isso faz com que a marcação embole a entrada da área e reduza os espaços para a penetração dos alas. Os próprios também se ressentem dessa falta de espaço. O jogo não fluía. Daniel, um dos melhores em campo ao lado de Ganso, girava com velocidade, entretanto na meiuca ofensiva não tinha com quem jogar.

Ganso foi outro. Muitas dificuldades em se encontrar um espaço, sobretudo no segundo tempo, quando o ataque tricolor saiu de sua principal características. Foram 24 cruzamentos. Ainda assim o camisa 10 conseguia iniciar uma ou outra jogada mais aguda. O próprio admitiu, na saída do Maraca, que o Flu fugiu de suas características. Yony foi outro que sofreu com a falta de espaços. O líder em assistências tentou, mas a galera não ajudou a aumentar essa estatística.

Mas, nem só de críticas vive Fernando Diniz. Mais uma vez seu time teve um controle esmagador. Ficou com a bola por 60 % do tempo e finalizou 16 vezes, sendo 7 para o gol. João Pedro “chapou” um cruzamento de Yony para fora,  na marca do pênalti, depois bateu rasteiro no canto para o goleiro deles pegar bem. Pedro cabeceou e, de novo, o goleiro deles fez um milagre. Yony chutou e o goleiro do lado de lá se destacou. E ainda teve o chute de Ganso, no cantinho, e o goleiro deles. Pedro recebe, gira, e bate… e o goleiro deles… O Flu precisava de um pouco mais de sorte. Ou de competência.

Um outro fator complicador do jogo foi, sem sombra de dúvidas, a ausência de Allan na meiuca. Impressionante como o time ganha em qualidade na saída com ele em campo. Nada contra o Yuri, que até fez um bom jogo. Mas se compararmos com o Allan fica covardia. Isso porque ele vem jogando o fino. Gilberto é outro jogador que precisa melhorar sua forma física. Tá certo, teve apenas uma semana de trabalhos mais intensos e está um passo atrás dos demais. Mas ontem errou mais do que acertou.

O campeonato Brasileiro não é fácil, não perdoa, e os times estão muito parelhos. Uns jogam por uma bola, como o caso de Botafogo e Ceará, que já enfrentamos. Um nos ganhou, o outro empatou em casa conosco. E esses times,  estarão ali embaixo brigando para não cair. Precisamos, urgentemente, voltar a vencer e embalar. Próximo compromisso será contra o Vasco, lá em São Januário, outro rival direto na parte debaixo. Não damos sorte contra eles há muito tempo, mas precisamos de que ela entre em campo conosco e que nossos atacantes estejam mais inspirados. Mas Diniz, na boa? Pedro e João Pedro não dá; Muriel é para ontem no gol; fecha a casinha, faz um ferrolho e muda um pouco a proposta de jogo, quando jogarmos fora.

Temos qualidade o suficiente para jogarmos nos contra-ataques. Temos velocidade para isso, nas pernas da garotada. Temos um time comprometido e isso graças à você, que conhece muito de futebol, e tem o grupo nas mãos. Mas está na hora de entender que os resultados precisam vir. A torcida está preocupada e impaciente. Ontem o melhor público do ano, em uma segunda. Quase 24 mil estiveram no Maraca… a galera quer apoiar. Então, nos ajude!

ST

Washington de Assis

 

 


Compartilhe

2 thoughts on “Flu empata, vê situação complicar na tabela e não consegue deslanchar esquema “Diniz”

  • 17/07/2019 em 15:39
    Permalink

    Tivemos muitas chances de matar o jogo e não matamos. Aquela cabeçada do Pedro foi incrível. Agora, o treinador não entra em campo. Os jogadores tem que resolver lá dentro. Pra mim, só tá faltando melhorar as conclusões.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.