Em casa, River não perdia por 2 gols de diferença na fase de grupos há 30 anos

Compartilhe

A vitória por 3 a 1 do Fluminense sobre o River Plate fora de casa derrubou um tabu que já durava três décadas. Jogando a fase de grupos da Libertadores, os Millionários não perdiam por dois gols de diferença no Monumental de Nuñez desde 1991, quando perdeu o Superclasico para o Boca Juniors por 2 a 0.

Na ocasião, o centroavante Gabriel Batistuta — então no Boca — marcou os dois gols. Até 2000, a Libertadores ainda tinha uma fase de grupos regional, por isso os dois maiores clubes da Argentina caíram juntos no Grupo 1.

Além de vencer na casa do maior rival, o clube xeneize se classificou em segundo no grupo, com seis pontos — um atrás do líder Bolívar —. Enquanto o River, com cinco, acabou eliminado.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Desde então, os Millionários haviam disputado 65 jogos pela fase de grupos em 24 edições do Torneio. Com 45 vitórias, 16 empates e seis derrotas. Apenas Newell’s Old Boys, América-MEX, Independiente Dell Valle, Atlético Nacional e Caracas haviam vencido o River na Argentina. Todos por apenas um gol de diferença. Por outro lado, a equipe chegou a perder por dois ou mais gols de diferença em outras fases. Como, por exemplo, na derrota por 3 a 0 para o Palmeiras na semifinal da edição 2020.

Yago Felipe marcando o terceiro gol do Fluminense na vitória sobre o River fora de casa
Terceiro gol, marcado pelo volante Yago Felipe aos 47 minutos do segundo tempo, fez cair o tabu do River Plate em casa na fase de grupos. Mesmo perdendo, o clube argentino também se classificou (Foto: Lucas Merçon/Fluminense Football Club)

Com o resultado, além de quebrar o tabu, o Fluminense se tornou o segundo time a vencer, fora de casa, tanto Boca Juniors quanto River Plate. O Tricolor já havia vencido o Boca por 2 a 1 em La Bombonera na Libertadores 2012 com gols de Deco e Fred.

ST


Compartilhe

Lucas Meireles

Jornalista formado pela UFRRJ, apaixonado por esportes e pelas boas histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.