Opinião: Ganso merece uma chance no time titular? Os números falam…

Compartilhe

Contratado e recebido a peso de ouro no aeroporto Santos Dumont, muitos acham que Ganso ainda não decolou com a camisa do Fluminense. Mas será verdade essa afirmação? Fizemos essa análise.

Quando Paulo Henrique Ganso foi contratado, óbvio que houve a questão envolvendo um crescimento do número de sócios. E isso deu muito certo! No dia 01 de fevereiro, foi divulgado pelo clube uma grande adesão diária ao plano de sócio torcedor, tendo aumento de 11 vezes ao que era registrado em dias “normais”. Ganso era o garoto propaganda  do Fluminense e, fora de campo, fez e ainda faz muito bem esse papel.

Já dentro de campo, esperava-se muito do jogador os belos passes e a organização dentro de campo conhecida. Com Fernando Diniz no comando, Ganso teve bastante liberdade no meio de campo para vir buscar a bola ainda no setor defensivo e ajudar nas construções de jogadas.

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Apesar de ter não ter feito uma pré-temporada e não em suas melhores condições físicas, Ganso cumpriu bem o seu papel de passes bonitos, certeiros e com a função de exercer assistências para jogadas de gol, foi bem feita.

Esse vídeo, feito pelo analista de desempenho Felipe Barros, mostra exatamente a importância de Ganso para o Fluminense em 2019 sendo um verdadeiro garçom para os outros jogadores.

Para auxiliar no debate sobre a efetividade do 10 tricolor, foi analisado todos os 71 passes para finalização do meia em 2019. O jogador deixou 25 vezes um companheiro em boas condições claras de marcar um gol.

Para complementar: Em novembro, nos 24 jogos em que disputou no Campeonato Brasileiro, o meia deu 41 passes para os companheiros finalizarem a gol. Ganso era o 10º jogador com mais passes para finalizações no Brasileirão, porém, nenhuma foi gol, evidenciando a falta de pontaria do time.

Em 2019, o Flu tinha dois atacantes que perdiam um caminhão de gols. Yony González, como visto no vídeo e o jovem João Pedro, desperdiçaram inúmeras chances, isso sem contar as bolas vindas de outros jogadores. Ainda tiveram jogadores como Luciano e Gilberto, que também sempre se arriscavam bastante no ataque como arma surpresa e acabavam tendo sempre chances reais de balançar as redes.

Vale ressaltar que no mesmo ano, Ganso também sofreu uma lesão que o afastou da reta final do Brasileirão, não podendo contribuir para o clube dentro de campo.

Em 2020, o meia realizou uma pré-temporada mais prolongada do que as dos demais jogadores com o intuito de fortalecer ainda mais a sua musculatura e evitar novas lesões. Contudo, com o excelente desempenho de Nenê no ano, o jogador ainda não teve uma sequência de jogos para mostrar a sua produtividade com o novo elenco, que convenhamos, tem muito mais experiência do que a equipe do ano passado. Principalmente no setor ofensivo, que antes da paralisação do futebol, o Flu tinha o segundo melhor ataque entre os times da Série A, com 32 gols marcados em 15 partidas, atrás apenas do Flamengo, com 36.

Agora com a chegada de Fred para o comando de ataque, um jogador que sabe finalizar, se posicionar entre os zagueiros e perde pouquíssimos gols, com Ganso tendo um tempo maior em campo, qual a chance dessa parceria não fornecer resultados positivos para o Fluminense?

Deixo essa enquete final para vocês: Ganso, Fred e Nenê, conseguem jogar juntos no esquema de Odair Hellmann?

ST

João Eduardo Gurgel


Compartilhe

2 thoughts on “Opinião: Ganso merece uma chance no time titular? Os números falam…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *