DANE-SE O FAVORITISMO

Compartilhe

 

Quase a totalidade, senão todos, da imprensa dá um amplo favoritismo, mesmo jogando no Mario Filho, para o Palmeiras no jogo de logo mais, primeiro porque acabou de ganhar o campeonato paulista, mesmo jogando muito mal e segundo, obviamente, tem muito mais elenco do que o nosso time. Até aí nada demais. Não dá para brigar contra os fatos. Não sou nenhum Nelson Rodrigues que com sua genialidade dizia, mesmo que os fatos fossem incontestáveis, pior para eles. Ser favorito não quer dizer que o Palmeiras vem ao Rio com os três pontos já garantidos, longe disso, mas para surpreendê-los precisamos de jogar muito mais e de alguns acertos, que já passaram para lá de óbvios. Depois da derrota na estréia contra o Grêmio, o técnico Odair Helmann se disse satisfeito com o desempenho muito bom da sua equipe, assim como um grande amigo (desde o campeonato de 1969 acompanhamos juntos os jogos do nosso Tricolor, e que merecíamos no mínimo o empate). Considerei uma exibição no máximo medíocre.

Fiquei assustado porque não foi assim e grande parte dos tricolores viram a atuação do Fluminense. Seria um discurso da boca pra fora, visando a imprensa? Dentro do vestiário seria diferente, uma cobrança maior de um desempenho mais decisivo? Parece que predominou a segunda hipótese, porque ele resolveu mudar a escalação da equipe para esta partida. Saem o Marcos Paulo e o Yago Felipe e entram o Fred e o uruguaio Michel Araújo, que não foi mal contra o Grêmio. Aliás, Marcos Paulo vinha sendo escalado erroneamente como falso ponta esquerda ou como auxiliar da lateral esquerda. Não tem velocidade para puxar contra-ataques por este setor e muito menos de ajudante do fraco Egydio. Para ter uma idéia melhor do Marcos Paulo quero vê-lo na sua posição de origem, como um quarto homem do meio campo, onde se destacou até então, jogando por este setor .

Você conhece nosso canal no YoutubeClique e se inscreva! Siga também no Instagram

Logo mais contra um time que é melhor, não dá para negar isso, não podemos cometer alguns erros, os mesmos por sinal das outras partidas desde a volta da pandemia. De que adianta ter posse de bola, na defesa ou na intermediária ? Em noventa por certo dos jogos criamos pouquíssimas chances de gol, dá até para contar nos dedos. De nada adiantará a entrada do Fred, ou outro atacante qualquer se a bola não chegar nele, como vem acontecendo sistematicamente. Temos um time razoável porem limitado. Para conseguirmos alguns resultados positivos, principalmente jogando em casa, teremos que ser mais objetivos, deixando as mesmices de lado. Se ficarmos a espera de um ou dois contra ataques para vencer a partida, pode não acontecer nada, como estamos vendo desde de sempre.

—————————————————-


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *